Atenção Trabalhador! Não se deixe enganar

O governo anunciou que a média da inflação de 1 de novembro de 2016 a 31 de outubro de 2017, ficou em 1,78%, mas mesmo com esta porcentagem, os brasileiros, sentiram o aumento nos preços de itens como, botijão de gás, planos de saúde, escolas, energia elétrica, gasolina, dentre outros. Esta mentira proporcionada pelo governo, vem diminuindo o poder de compra e trazendo uma perca muito grande aos trabalhadores.

Com a aprovação da reforma Trabalhista as dificuldades aumentaram ainda mais. Muitas empresas começaram a seguir a nova lei e não estão mais homologando no Sindicato. Algumas fazem os trabalhadores pagarem até R$ 100,00 para ser homologado.

Os trabalhadores devem denunciar, caso a empresa queira realizar a homologação sem a presença do Sindicato. É necessário ficar atento, pois muitos funcionários estão sendo atendidos na portaria da empresa.

Uma outra situação que ocorre também, é relacionada a trocas de feriados, compensação de dias, banco de horas e redução de salários. As empresas estão fazendo listas de assinaturas, como forma de pressionar os trabalhadores, por isto não assinem listas sem o conhecimento do Sindicato.

Outro ponto também que é necessário esclarecer, é como a forma que a Contribuição Sindical vem sendo retratada. O dinheiro arrecadado com o recolhimento não vai somente para o Sindicato. 15% vai para as Federações; 10% para as Centrais; 5% para as Confederações; 10% para Caixa Econômica Federal e Ministério do Trabalho e Emprego; 60% para os Sindicatos.

Todos nós sabemos da importância da Contribuição Sindical. Ela serve para manter e fortalecer o Sindicato. Os patrões querem enfraquecer os Sindicatos, mas não vamos parar de lutar. Vamos seguir fortes e atuantes.

Trabalhador não se deixe enganar. A homologação continua a ser feita em nosso Sindicato. Temos dois funcionários na entidade, que estão prontos para atendê-los.

Junte-se a nossas lutas! Conheça os seus direitos! Participe do dia a dia da entidade sindical!

 

Wagner da Silveira, Juca, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Piracicaba e região