Padronização de trailers da praça

- Publicidade

O secretário municipal de Trabalho e Renda, José Luiz Ribeiro, apresentará nessa semana, durante reunião com outras Secretarias e órgãos envolvidos na gestão da praça José Bonifácio, a proposta de padronizar os trailers dos comerciantes ambulantes de alimentos que atuam no local. Com a reforma que está sendo realizada pela Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Sedema), a ideia é que os 15 vendedores possam ter o mesmo tipo de equipamento e estrutura para oferecer seus produtos aos consumidores.

“Há algumas dificuldades a serem superadas, principalmente o custo de um novo trailer para os comerciantes, mas vamos iniciar as discussões, porque, além dos piracicabanos, a praça recebe muitos turistas, é o segundo local mais visitado da cidade depois da Rua do Porto”, afirmou Ribeiro.
Além da Sedema, o secretário afirmou que o tema será abordado com a Secretaria de Ação Cultural e Turismo (SemacTur), Obras (Semob), Assistência e Desenvolvimento Social (Smads), Governo e com o Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Piracicaba (Codepac).
“Quero avaliar quais as possibilidades, se os comerciantes podem adquirir o novo equipamento ou se haverá necessidade da Prefeitura realizar uma concessão, como ocorreu na área da Passarela Pênsil. Tudo ainda terá de ser verificado e amplamente discutido e debatido”, disse José Luiz Ribeiro.
A previsão da Sedema é concluir a reforma que está sendo realizada na praça em dezembro. Para Ribeiro, não há como prever se a padronização dos comerciantes poderá coincidir com a conclusão das obras, porque a proposta ainda precisa ser apresentada, discutida e pode ser aprovada ou não.
Reivindicação antiga
Gazeta conversou, nesta segunda-feira (9), com três comerciantes que atuam na praça José Bonifácio e que vendem lanches, pastéis, caldo de cana, água e refrigerantes, entre outros alimentos.
“Essa proposta está atrasada há 20 anos. Será melhor para a gente trabalhar e atender os clientes, com um novo equipamento com mais espaço. Com esses trailers que temos hoje em dia, ficamos no sol sem problemas, mas quando vem uma tempestade, fica difícil, não temos como nos proteger”, contou Raimundo Renato Gonçalves da Silva, 57 anos de idade.
Ele trabalha na praça José Bonifácio há 33 anos. “A Prefeitura nunca ouviu essa nossa reivindicação. Nós queremos padronizar, mas nunca foi permitido. Espero que dessa vez isso seja realmente possível”, afirmou. A comerciante Dalva Marques, 58 anos de idade, atua na venda de lanches desde 2012 na praça.
“Se eu tiver um novo trailer, com mais espaço, poderei fazer também tapioca e outros produtos. Do jeito que está, só os lanches na chapa, porque não dá para instalar outros equipamentos”, disse. Ela afirmou que apoia a ideia de padronizar os trailers mesmo que for para pagar pelo novo equipamento.
“A gente dá um jeito, busca financiamento, linha de crédito para MEI (Microempreendedor Individual), porque melhorar os trailers também vai ajudar a gente a vender mais”, afirmou. Há um ano, a vendedora Adriana Prado, 45 anos de idade, passa pela experiência de vender mais com um novo equipamento.
“Eu trabalho na praça desde 2001. Antes tinha um carrinho de caldo de cana e água. Era bem pequeno. Pedi autorização na Semtre para instalar um trailer feito com contêiner, e para vender também pastel, refrigerante e salgado. Faz um ano que estou trabalhando nesse novo trailer e as vendas aumentaram”, disse.
Adriana é favorável à padronização e à modernização dos equipamentos dos vendedores ambulantes porque vai melhorar o trabalho de todos, o atendimento aos consumidores e a higiene dos trailers e da praça. “Nesse ramo de Alimentação, a aparência é tudo”, afirmou.
Mesmo que ela tenha de fazer adaptações no seu trailer novo, ou mesmo substituir o equipamento, ela apóia a ideia da padronização dos vendedores da praça e a ideia que tem sido discutida. Os três vendedores entrevistados pela Gazeta relataram ainda que, além da padronização, eles também apoiam a ideia de instalar uma área mais adequada e planejada para a alimentação na praça. “Com mesas padronizadas, tudo ficará mais organizado e terá mais conforto aos clientes”, disseram.
FONTE: Gazeta de Piracicaba